Direito Trabalhista

A fiscalização do ambiente laboral do teletrabalhador

Em face do princípio da alteridade (art. 2º da CLT), a assunção dos riscos do emprendimento traz ao empregador diversas responsabilidades, dentre elas a de manter o ambiente de trabalho em condições seguras e saudáveis aos empregados (observância de regras de saúde, higiene, segurança e medicina do trabalho). Sendo do empregador a referida incumbência, pouco importa onde o labor é desempenhado, se fisicamente ou a distância. Tal dever patronal tem arcabouço constitucional (arts. 7º, XXII e XXVIII, 196, 200, VIII, e 225, todos da CF) e legal (art. 157 da CLT e art. 19, §1º, da Lei nº 8.213/91). De igual, é amparado em âmbito internacional, nos termos dos arts. 7º e 12 do Pacto Internacional de Direitos Econômicos Sociais e Culturais (PIDESC), arts. 7º e 10 do Protocolo de San Salvador e nas Convenções 148, 155 e 161, todas da OIT. A obrigação de o empregador manter o local de trabalho imaculado vem acompanhada dos direitos de orientação, fiscalização e até punição dos trabalhadores. Questões intrigantes surgem da análise desses direitos patronais, principalmente o de fiscalização dos teletrabalhadores. Pode o empregador orientar e fiscalizar o ambiente laboral dos seus teletrabalhadores? Como se dará esta fiscalização? A proposta deste ensaio, pois, é a de examinar o disposto no art. 75-E da CLT, “traduzindo” os seus termos e propondo respostas para os questionamentos supra.

Por: Fábio Luiz Pacheco Atualizado: 22/09/2020 18:39

A fiscalização do ambiente laboral do teletrabalhador

Fábio Luiz Pacheco1

1. Introdução

Em face do princípio da alteridade (art. 2º da CLT), a assunção dos riscos do emprendimento traz ao empregador diversas responsabilidades, dentre elas a de manter o ambiente de trabalho em condições seguras e saudáveis aos empregados (observância de regras de saúde, higiene, segurança e medicina do trabalho). Sendo do empregador a referida incumbência, pouco importa onde o labor é desempenhado, se fisicamente ou a distância.

Tal dever patronal tem arcabouço constitucional (arts. 7º, XXII e XXVIII, 196, 200, VIII, e 225, todos da CF) e legal (art. 157 da CLT e art. 19, §1º, da Lei nº 8.213/91). De igual, é amparado em âmbito internacional, nos termos dos arts. 7º e 12 do Pacto Internacional de Direitos Econômicos Sociais e Culturais (PIDESC), arts. 7º e 10 do Protocolo de San Salvador e nas Convenções 148, 155 e 161, todas da OIT.

A obrigação de o empregador manter o local de trabalho imaculado vem acompanhada dos direitos de orientação, fiscalização e até punição dos trabalhadores.

Questões intrigantes surgem da análise desses direitos patronais, principalmente o de fiscalização dos teletrabalhadores. Pode o empregador orientar e fiscalizar o ambiente laboral dos seus teletrabalhadores? Como se dará esta fiscalização? A proposta deste ensaio, pois, é a de examinar o disposto no art. 75-E da CLT, “traduzindo” os seus termos e propondo respostas para os questionamentos supra.

2. A fiscalização do ambiente laboral do teletrabalhador

Com o advento da Lei nº 13.467/172, o art. 75-E foi incluído na CLT (bem como todo o Capítulo II-A, que trata sobre o teletrabalho), e conta com a seguinte redação:

Art. 75-E. O empregador deverá instruir os empregados, de maneira expressa e ostensiva, quanto às precauções a tomar a fim de evitar doenças e acidentes de trabalho.

Parágrafo único. O empregado deverá assinar termo de responsabilidade comprometendo-se a seguir as instruções fornecidas pelo empregador.

Antes de mais nada, fica evidente a rigidez do texto celetista, o que leva à conclusão de que o legislador de 2017 tinha conhecimento da probabilidade de ocorrência de adoecimentos e acidentes diversos aos teletrabalhadores.

As conjunções verbais e os verbos acima grifados revelam o tom imperativo às partes: ao passo que o empregador deve instruir seus empregados a fim de evitar doenças e acidentes, os empregados em teletrabalho devem assinar termos responsabilizando-se a seguir as instruções patronais.

Respondido está o primeiro questionamento formulado: o empregador deve orientar e fiscalizar o ambiente laboral dos seus teletrabalhadores!

A legislação ainda detalha o modo como deverá ser a instrução aos empregados em “home office”, ou seja, expressa e ostensiva. Daí, pode-se concluir algumas características desse viés orientador: obrigatoriedade de documentação das orientações (contrarrecibo); frequência temporal (mensalmente, por exemplo); efetividade orientacional (com vistas e, de fato, evitar doenças e acidentes); fornecimento de “EPIs” e acessórios compatíveis com o teletrabalho (protetor de tela de computador; mouse pad; duas telas; teclado e mouse ópticos; cadeira adequada; altura do monitor adequada; ginástica laboral; colírio; pausas eventuais; fornecimento de bons fones de ouvido...)

Registra-se, por oportuno, que toda a documentação acima ventilada mostrar-se-á imperiosa diante de eventuais e futuras ações trabalhistas!

Ademais, é dever do empregado “assinar termo de responsabilidade comprometendo-se a seguir as instruções fornecidas pelo empregador”. E, caso não o faça, poderá ser punido com advertência, suspensão e até dispensa por justa causa (indisciplina – art. 482, “h”, da CLT).

Seguindo em resposta ao segundo questionamento formulado no introito (Como se dará esta fiscalização?), relembra-se que “a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial” (art. 5º, XI, da CF/88).

A insurgência, nota-se, tem crucial relevância quando o trabalhador realiza o típico “home office” (atuando na própria residência) ou na hipótese de laborar na casa de outra pessoa.

Da conjugação dos ditames constitucionais (conflito entre princípios) de inviolabilidade do lar e da manutenção da saúde e segurança do teletrabalhador, exsurgem alternativas viáveis a serem adotadas.

Como primeira alternativa, bastaria que o empregado autorizasse expressamente (consentimento do morador) a fiscalização patronal, seja de forma presencial ou não – mas sempre com agendamento prévio.

Uma segunda solução seria, analogicamente, valer-se da regra similar destinada à fiscalização do trabalho doméstico, contida no artigo 44 da Lei Complementar nº 150/2015, que acresce o artigo 11-A à Lei nº 10.593/2002, dispondo sobre a possibilidade de ingresso do auditor-fiscal no lar onde se realiza o trabalho, mediante agendamento prévio. Como tal norma é destinada aos auditores-fiscais do trabalho, não aparenta ter aplicação na relação empregado-empregador.

Tanto uma quanto a outra situação acima (fiscalização in loco ou remota) não dispensariam o agendamento prévio e, por segurança jurídica, o consentimento do trabalhador que labora em casa.

Outrossim, necessária a atenção para a pessoa que realizará a fiscalização, a qual deverá, no mínimo, ter conhecimento de regras de ergonomia, assinar termo de sigilo quanto às condições domésticas do empregado que não estejam relacionadas ao labor e ser discreta. O desrespeito a quaisquer dos últimos dois itens pretéritos tem o condão de, a depender do caso, expor e violar a intimidade do empregado fiscalizado em sua casa, podendo resultar em eventuais danos extrapatrimoniais (indenizáveis, portanto).

3. Conclusão

Normativos gerais voltados ao zelo da saúde e da segurança dos teletrabalhadores devem ser, frequentemente, expedidos. Igualmente, a depender da situação, recomendações específicas e individualizadas mostram-se necessárias. Tudo de forma documentada.

É dever do empregador, então, bem orientar seus tele-empregados acerca dos riscos e precauções a tomar com vistas a evitar adoecimentos e acidentes de trabalho. Mesmo que o empregado exerça o típico “home office”, permanecem íntegras as obrigações patronais de orientação e de fiscalização do ambiente telelaboral. Sugere-se o entendimento entre as partes, a fim de que haja o consentimento prévio do empregado, e que toda a fiscalização realizada (física ou remota) ocorra com o pré-agendamento.

1Juiz do Trabalho Substituto do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região. Ex-assistente de desembargador (TRT/4a Região). Ex-oficial de justiça federal da Justiça Federal do RS (TRF/4a Região). Ex-assistente de juiz do trabalho (TRT/3a Região). Ex-chefe de Cartório Eleitoral (TRE/RS). Ex-advogado, ex-assessor jurídico municipal e da Confederação Nacional de Municípios (CNM – Brasília/DF). Especialista em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho pela PUC/RS. Professor e palestrante. @estatisticatrabalhista

2A qual apelido de “Primeira” Reforma Trabalhista, face às diversas alterações posteriores.

Fábio Luiz Pacheco

Juiz do Trabalho Substituto do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região. Ex-assistente de desembargador (TRT/4a Região). Ex-oficial de justiça federal da Justiça Federal do RS (TRF/4a Região). Ex-assistente de juiz do trabalho (TRT/3a Região). Ex-chefe de Cartório Eleitoral (TRE/RS). Ex-advogado, ex-assessor jurídico municipal e da Confederação Nacional de Municípios (CNM – Brasília/DF). Especialista em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho pela PUC/RS. Professor e palestrante.

Últimos artigos

Direito Trabalhista

A greve dos Correios de 2020 e a necessidade de superação de uma jurisprudência trabalhista incoerente

Por Felipe Bernardes
(br) Na ADI 3423 (e outras julgadas em conjunto)1, o Supremo Tribunal Federal declarou a constitucionalidade dos §§2º e 3º do art. 114 da Constituição, na redação da EC 45/2004. A Corte utilizou como argumentos centrais aptos a sustentar a constitucionalidade da exigência do comum acordo para o dissídio coletivo de natureza econômica: (i) inexistência de violação ao acesso à justiça, pois se trata de criação de novo direito, e não de aplicação de direito pré-existente; (ii) a necessidade de reduzir a intervenção estatal nas relações coletivas de trabalho.

Direito Trabalhista

A Lei Geral de Proteção de Dados e seus impactos nas relações de trabalho.

Por Iuri Pinheiro e Vólia Bomfim

A Quarta Revolução Industrial1 está sendo vivenciada através de novas tecnologias, que se baseiam em análise massiva de dados (“big data”) a partir da inteligência artificial e da robótica, dentre outros fatores, em um mundo no qual os objetos são conectados uns aos outros (internet das coisas). Os dados, cada vez mais, são processados e valorados economicamente, sendo considerados o principal insumo da sociedade contemporânea e equiparados ao petróleo de outros tempos. Por isso mesmo, afirma-se que a economia é dirigida por dados (“data driven economy”). (...)

Direito Trabalhista

A RESPONSABILIDADE PELOS CUSTOS DOS INSTRUMENTOS DE TRABALHO NO REGIME DE TELETRABALHO

A origem do Direito do Trabalho enquanto ramo específico da ciência jurídica tem como fundamento o trabalho subordinado em sua acepção clássica, encontrado no interior das fábricas e indústrias típicas da industrialização inicial ocorrida nos séculos XVIII e XIX, quando se destacou o modelo taylorista/fordista de produção. Ocorre que a crise vivenciada pelo próprio Direito do Trabalho a partir do final do século XX, as alterações estruturais ocorridas no mundo do trabalho contemporâneo e o consequente surgimento de novas espécies de trabalhadores, bem como, por fim, o surgimento de uma nova filosofia de produção, de origem japonesa, denominada Toyotismo, que horizontalizou a empresa e fez o empregado internalizar o poder diretivo, colocaram a ideia de subordinação jurídica clássica em crise. Além disso, as novas formas de trabalho surgidas no mundo do trabalho assumem feições e características que relativizam a ideia de sujeição do trabalhador a ordens intensas e diretas do tomador dos serviços, sem retirar daquele, entretanto, a hipossuficiência comum que marca o trabalhador empregado. Nesse contexto, para efeito de reconhecimento da relação de emprego, é irrelevante o local da prestação de serviços pelo empregado, que pode ser até mesmo a residência deste. Neste caso, chama-se de trabalho a distância (home office), pelo fato da prestação de serviços ocorrer fora do estabelecimento empresarial, sendo certo que a Lei n. 12.551/2001, alterando o art. 6º da CLT, deixou clara a possibilidade de natureza empregatícia dessa relação jurídica. A Lei n. 13.467/2017 – Reforma Trabalhista inseriu na CLT os artigos 75-A a 75-E, regulamentando a figura do teletrabalho. Mais recentemente, a Medida Provisória n. 927/2020, que, diga-se de passagem, caducou, fez referência ao instituto do teletrabalho.

Direito Trabalhista

ADC 58: Lockdown na Justiça do Trabalho?

O mais turbulento semestre da história recente do Direito e do Processo do Trabalho encerra-se com aquela que talvez seja a decisão monocrática de maior impacto na história do Judiciário brasileiro. No dia 27 de junho de 2020, um sábado, o Ministro Gilmar Mendes, Relator da Ação Declaratória de Constitucionalidade n.º 58, ajuizada em 17/08/2018, proferiu decisão liminar determinando, ad referendum do Plenário da Corte, a “suspensão do julgamento de todos os processos em curso no âmbito da Justiça do Trabalho que envolvam a aplicação dos artigos arts. 879, §7, e 899, § 4º, da CLT, com a redação dada pela Lei nº 13.467/2017, e o art. 39, caput e § 1º, da Lei 8.177/91”. Causa perplexidade a circunstância de a paralisação de processos decorrer não da controvérsia em relação a determinado tema de direito material discutido nos autos, mas de uma questão meramente acessória, a correção monetária, que, na feliz síntese frequentemente rememorada pelo Ministro Cesar Asfor Rocha, “não é um plus que se acrescenta, mas um minus que se evita". O tema da atualização monetária dos créditos trabalhistas tem sido objeto candente controvérsia há alguns anos na Justiça do Trabalho, adquirindo, no ocaso do primeiro semestre 2020, contornos ainda mais dramáticos. Nesse contexto, o presente artigo destina-se a oferecer reflexões iniciais acerca dos efeitos da mencionada decisão sobre os processos trabalhistas. A adequada compreensão da matéria exige, porém, uma breve digressão histórica, que faremos a seguir.

Direito Trabalhista

Grupo econômico no Processo do Trabalho

O incidente da desconsideração da personalidade jurídica é pertinente para o reconhecimento de grupo econômico?

Direito Trabalhista

Ainda é possível antecipação de tutela para saque de FGTS? Uma análise crítica da jurisprudência do STF

Em recente decisão monocrática , o STF julgou procedente reclamação e cassou decisão de TRT que havia determinado, em tutela da evidência, a expedição de alvará para saque de FGTS pela trabalhadora.

Ver mais artigos

Receba conteúdos exclusivos

Instituto Trabalho em Debate 2020 - © Todos direitos reservados