Direito Trabalhista

A recorribilidade das decisões homologatórias de acordo judiciais trabalhistas à luz do art. 506 do CPC/2015.

A recorribilidade das decisões homologatórias de acordo judiciais trabalhistas à luz do art. 506 do CPC/2015.

Por Danilo Gonçalves Gaspar: Juiz do Trabalho do Tribunal Regional do Trabalho da 05ª Região. Mestre em Direito Privado e Econômico (UFBA). Membro do Instituto Bahiano de Direito do Trabalho (IBDT). Professor de Direito e Processo do Trabalho. @danilogoncalvesgaspar

e

João Pedro França Teixeira é Advogado, Sócio do escritório Mota Ribeiro, Barbosa e França. Pós-Graduado em Direito e Processo do Trabalho. LLM em Direito Empresarial pela FGV. Pós-Graduado em Direito Minerário. Vice-Presidente da Comissão de Direito Minerário da OAB/BA. Membro da Associação dos Advogados de São Paulo. Membro do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. Vice-Presidente do Instituto Baiano de Mineração (IBAHM).

Por: Trabalho E(m) Debate Atualizado: 22/03/2021 14:53

A recorribilidade das decisões homologatórias de acordo judiciais trabalhistas à luz do art. 506 do CPC/2015.

 

Por Danilo Gonçalves Gaspar: Juiz do Trabalho do Tribunal Regional do Trabalho da 05ª Região. Mestre em Direito Privado e Econômico (UFBA). Membro do Instituto Bahiano de Direito do Trabalho (IBDT). Professor de Direito e Processo do Trabalho. @danilogoncalvesgaspar

e

João Pedro França Teixeira é Advogado, Sócio do escritório Mota Ribeiro, Barbosa e França. Pós-Graduado em Direito e Processo do Trabalho. LLM em Direito Empresarial pela FGV. Pós-Graduado em Direito Minerário. Vice-Presidente da Comissão de Direito Minerário da OAB/BA. Membro da Associação dos Advogados de São Paulo. Membro do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. Vice-Presidente do Instituto Baiano de Mineração (IBAHM).

 

Nos termos do artigo 831, parágrafo único, da CLT, “No caso de conciliação, o termo que for lavrado valerá como decisão irrecorrível, salvo para a Previdência Social quanto às contribuições que lhe forem devidas”, motivo pelo qual, no contexto do CPC/73, o TST consolidou o entendimento no sentido de que “Só por ação rescisória é impugnável o termo de conciliação previsto no parágrafo único do art. 831 da CLT” (Súmula n. 259), bem como que “O acordo homologado judicialmente tem força de decisão irrecorrível, na forma do art. 831 da CLT. Assim sendo, o termo conciliatório transita em julgado na data da sua homologação judicial.” (Súmula n. 100, V).

 

No contexto do CPC/2015, contudo, a sentença homologatória de acordo deixou de ser rescindível, prevendo o art. 966, § 4º, que “Os atos de disposição de direitos, praticados pelas partes ou por outros participantes do processo e homologados pelo juízo, bem como os atos homologatórios praticados no curso da execução, estão sujeitos à anulação, nos termos da lei.”.

 

Assim é que, a partir do CPC/2015, não é mais possível falar em ação rescisória em face de sentença homologatória de acordo, mas sim, se for o caso, em ação anulatória.

 

De um modo ou de outro, persiste, por expressa previsão legal na CLT, a irrecorribilidade, salvo para a Previdência Social quanto às contribuições que lhe forem devidas, da sentença homologatória de acordo.

 

Contudo, para além da exceção prevista no art. 831, parágrafo único, da CLT, é possível conceber, a partir do conteúdo do art. 506 do CPC/2015 (“A sentença faz coisa julgada às partes entre as quais é dada, não prejudicando terceiros”, uma outra possibilidade de recurso contra sentença homologatória de acordo.

 

Neste particular, merece destaque recente decisão da 6ª Turma do TST, de Relatoria da Ministra Kátia Magalhães Arruda, em sede de Recurso de Revista, nos autos do PROCESSO Nº TST-RR-1459-60.2010.5.10.0009, que entendeu pela recorribilidade da decisão que homologou o acordo judicial, e a consequente adequação da via eleita do pedido de nulidade consignado nos autos por um terceiro interessado (União):

 

[...] dar-lhe provimento para reconhecer a recorribilidade da decisão homologatória do acordo pela União, terceira interessada, e a adequação da via eleita para pleitear sua nulidade, de forma a determinar o retorno dos autos à Vara do Trabalho para que prossiga no exame do mérito da petição apresentada às fls. 4.949/4.956 da numeração eletrônica (fls. 4.155/4.162 da numeração física).

 

No caso concreto, o Sindicato Profissional firmou acordo com Empresa Pública Federal, em relação a diferenças salariais, em valor superior a R$ 500.000,00 – quinhentos mil reais, que, segundo a recorrente, impactam diretamente as diretrizes orçamentárias da União – reconhecida como terceira interessada pelo Tribunal Regional, haja vista ser responsável pelo repasse de recursos a aludida empresa pública federal.

 

O TST, então, por meio da 6ª Turma, reconheceu, à luz do art. 506 do CPC/2015, a recorribilidade da decisão homologatória do acordo, justamente pelo fato da União não ter figurado, como parte, no acordo, razão pela qual não se submete à coisa julgada material formada, de imediato, em relação às partes acordantes, não se submetendo, assim, aos efeitos da irrecorribilidade das decisões homologatórias de acordo.

 

Conclui-se, portanto, que, a partir da leitura combinada do parágrafo único do art. 831 da CLT e do art. 506 do CPC/2015, a sentença homologatória do acordo pode ser objeto de recurso por parte da Previdência Social quanto às contribuições que lhe forem devidas, bem como por parte de um terceiro eventual prejudicado com o acordo (art. 996 do CPC).

Últimos artigos

Direito Trabalhista

A QUESTÃO DA COMPETÊNCIA DE JUSTIÇA DO TRABALHO PARA A DECONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURIDICA DA EMPRESA NO AMBITO DA AÇÃO TRABALHISTA EM FACE DA INSERÇÃO DO ART. 82-A NA LEI 11.101/2005, PELA LEI 14.112/20

Por FRANCISCO DAS C. LIMA FILHO. MAGISTRADO, DESEMBARGADOR DO TRT 24a. REGIÃO. MESTRE E DOUTOR EM DIREITO SOCIAL PELA UNIVERSIDAD CASTILLA-LA MANCHA (ESPANHA). LECIONOU DIREITO DO TRABALHO E PROCESSUAL DOS TRABALHO, INCLUSIVE EM POS-GRADUAÇÃO NA UNIGRAN, UCDB E UNIDERP EM MATO GROSSO DO SUL.

Direito Trabalhista

Quais os feriados existentes para fins trabalhistas?

Por Danilo Gonçalves Gaspar: Juiz do Trabalho do Tribunal Regional do Trabalho da 05ª Região. Mestre em Direito Privado e Econômico (UFBA). Membro do Instituto Bahiano de Direito do Trabalho (IBDT). Professor de Direito e Processo do Trabalho. @danilogoncalvesgaspar

Direito Trabalhista

A importância da atualização normativa na elaboração da petição inicial.

A importância da atualização normativa na elaboração da petição inicial.

Por Danilo Gonçalves Gaspar: Juiz do Trabalho do Tribunal Regional do Trabalho da 05ª Região. Mestre em Direito Privado e Econômico (UFBA). Membro do Instituto Bahiano de Direito do Trabalho (IBDT). Professor de Direito e Processo do Trabalho. @danilogoncalvesgaspar

Direito Trabalhista

Aspectos processuais trabalhistas da Lei 14.112/2020: a modificação do regime legal de recuperação judicial e falência

Aspectos processuais trabalhistas da Lei 14.112/2020: a modificação do regime legal de recuperação judicial e falência

Por Felipe Bernardes

Direito Trabalhista

A utilização de banheiros por empregados(as) transexuais.

A utilização de banheiros por empregados(as) transexuais.

Por Danilo Gonçalves Gaspar: Juiz do Trabalho do Tribunal Regional do Trabalho da 05ª Região. Mestre em Direito Privado e Econômico (UFBA). Membro do Instituto Bahiano de Direito do Trabalho (IBDT). Professor de Direito e Processo do Trabalho.

1. Introdução As questões de gênero demandam uma atenção especial no mundo do trabalho, de modo a permitir que o trabalho seja, efetivamente, um instrumento de realização da dignidade do ser humano trabalhador. Para tanto, é imprescindível que temas como o uso do nome social e a utilização de banheiros de acordo com a identidade de gênero do(a) trabalhador(a) sejam objeto de debates e reflexões. Esse breve texto se destina à reflexão do tema da utilização de banheiros de acordo com a identidade de gênero do(a) trabalhador(a), fazendo uma abordagem teórica e prática, inclusive com pesquisa jurisprudencial.

Direito Trabalhista

Correção monetária e juros moratórios na Justiça do Trabalho após a decisão proferida pelo STF em 18/12/2020.

Correção monetária e juros moratórios na Justiça do Trabalho após a decisão proferida pelo STF em 18 de dezembro de 2020

Por Felipe Bernardes

Os juros de mora constituem indenização pelo retardamento no pagamento da dívida1. No Processo do Trabalho, o art. 39, §1º, da Lei 8.177/91, prevê – ainda que com atecnia redacional – juros de mora na base de 1% (um por cento) ao mês, contados do ajuizamento da reclamação trabalhista2. A Medida Provisória 905/2019 tentou alterar o cenário, passando a prever que os juros de mora deveriam ser equivalentes aos aplicados à caderneta de poupança. Sucede que a medida provisória caducou, de modo que voltou a vigorar o regramento estabelecido pela legislação anterior.

Ver mais artigos

Receba conteúdos exclusivos

Instituto Trabalho em Debate 2021 - © Todos direitos reservados