Direito Trabalhista

Conflito fundamental do FGTS: Subsistência do cidadão versus interesse público.

O FGTS tem sua origem na lei 5.107/66 e base na Carta Magna de 1988 (Art. 07, III), visando garantir a melhoria social dos trabalhadores, a fim de que possam ter uma “poupança” que venha a ser utilizada em momentos “especiais” ou até “delicados” – caso de sua demissão ou doença grave.

Por: João Pedro França Teixeira Atualizado: 09/06/2020 10:15

Conflito fundamental do FGTS: Subsistência do cidadão versus interesse público.

O FGTS tem sua origem na lei 5.107/66 e base na Carta Magna de 1988 (Art. 07, III), visando garantir a melhoria social dos trabalhadores, a fim de que possam ter uma “poupança” que venha a ser utilizada em momentos “especiais” ou até “delicados” – caso de sua demissão ou doença grave.

A pandemia do COVID-19 impulsionou um movimento disruptivo para as hipóteses de movimentação das contas de FGTS, em razão dos impactos causados à economia e o grande número de desempregados.

O movimento mencionado se materializa na possibilidade de enquadramento da pandemia, no rol do art. 20, XVI da Lei de FGTS, quando da necessidade pessoal, cuja urgência e gravidade decorra de desastre natural,1 o que já foi reconhecido pelo Governo Federal através do decreto legislativo n. 06/2020.

Neste ínterim, foi editada MP 946 de 2020, oferecendo autorização temporária para saques de saldos no fundo de garantia do tempo de serviço até o limite de R$ 1.045,00 (mil e quarenta e cinco reais) por trabalhador.

Vislumbrando então a chancela de liberação do FGTS, inúmeros trabalhadores, sejam eles com vinculo laboral ativo, com reclamações trabalhistas em curso ou até dos trabalhadores que fizeram adesão ao “saque aniversario”, iniciaram o ajuizamento em massa de ações pleiteando a liberação integral do FGTS, e consequentemente suprir os anseios operários e lhes dar um acalento financeiro.

Tamanho foi o clamor social que foram ajuizadas ações diretas de inconstitucionalidade – ADIS 6371 e 6379, pelo PT e PSB objetivando a liberação integral do FGTS, se valendo do reconhecimento formal do estado de calamidade o suficiente para permitir a movimentação da conta vinculada2.

Em decisão3, o Relator Ministro Gilmar Mendes, informou que “o fumus boni iuris, nem o periculum in mora, colocam-se presentes para o deferimento da medida cautelar pleiteada pelo partido autor, uma vez que a intervenção do Poder Judiciário na politica pública, pensada pelo poder executivo e em analise pelo poder legislativo, poderia causar danos ao Fundo gestor do FGTS, ocasionando danos econômicos imprevisíveis.”. Foi destacado ainda que a edição da MP 946/2020, já atende em parte o pleito perseguido.

É notório que inúmeros “CNPJ’s e CPF’s”, estão literalmente “cortando da própria carne” em busca de sua sobrevivência.

Posto isso, é que se busca mitigar os efeitos econômicos da pandemia, com escopo de liberação do saldo da conta do FGTS, que em muitos casos possuem quantias expressivas depositadas.

Tomar decisões é sempre um momento difícil. O memorável Napoleão Bonaparte, certa feita disse que “nada é mais difícil e, portanto, tão precioso, do que ser capaz de decidir”.

E a realidade Brasileira provavelmente não será diferente. Prevalecerá a supremacia do interesse público em detrimento do Direito à manutenção do bem-estar do cidadão. Mas por quê? Ainda que inexista vedação legal que impeça a movimentação da conta de FGTS face a instaurada pandemia equiparada a desastre natural? Sim!! Como se diz no popular jargão: “ o buraco pode estar muito mais embaixo”.

O Ministro Gilmar Mendes, ao indeferir a cautelar da ADI, assevera que “o FGTS é mantido por empregadores para a consecução de importantes fins sociais, financiando iniciativas que atendam à sociedade como um todo. Entre essas finalidades, destaca-se o financiamento de empreendimentos vinculados ao desenvolvimento urbano, à habitação popular, ao saneamento básico e à infraestrutura urbana, nos termos do art. 5o, I, da Lei 8.036/1990.”.

Ainda no bojo da ADI 6371, a Caixa Econômica Federal habilitada na qualidade de amicus curiae, ventila dados que traz o FGTS como o maior fomentador de habitação nacional, como por exemplo da “Minha Casa Minha Vida”. Elenca ainda investimentos em saneamento urbano e saúde pública que ultrapassam a casa dos quatro bilhões de reais.

Finaliza aduzindo que no cenário ideal da MP 946/2020, seriam liberados cerca de 40 bilhões de reais, e caso a cautelar fosse deferida, o precedente poderia gerar um “rombo” de 160 bilhões e causar a insolvência do fundo. Não fosse o bastante, a CEF alega ainda que os ativos do FGTS são alocados no mercado de capitais em investimentos de médio e longo prazo, bem como em operações de financiamento com retorno médio de 16 anos4.

Nesta senda, afirma ainda a CEF que os efeitos secundários de eventual desenfreada retirada dos fundos do FGTS, causariam impactos jamais vistos, e prejudicariam a posteriori, o atual beneficiário.

Ou seja, do cenário que se cerca o FGTS, ele se revela muito mais do que uma “simples poupança” do empregado. É um instrumento de fomento à economia e ao desenvolvimento de atividades do Estado, como promoção do bem-estar do cidadão, ainda que tais benefícios sejam colhidos indiretamente pelo cidadão.

Em recente matéria exposta pela CNN Brasil5, é apontado que já foram ajuizadas 1.975 ações, individuais e coletivas, o que fez com que a Caixa Econômica Federal formulasse pleito ao STF suspensão nacional dos processos sobre a liberação de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) em razão da situação de calamidade pública ocasionada pela pandemia da COVID-19.

O que se há de convir é que o limite estabelecido pela MP 946/2020, em muitas situações, não irá suprir a real necessidade de cada trabalhador, diante do tamanho impacto causado pela pandemia.

Assim, como humilde sugestão, ponderando o interesse de ambos, interessante seria o aumento do limite de saque já estabelecido pelo Governo Federal, como medida mais justa e adequada para o momento turbulento vivenciado pelos trabalhadores e pelo país.

1 XVI - necessidade pessoal, cuja urgência e gravidade decorra de desastre natural, conforme disposto em regulamento, observadas as seguintes condições:

2 http://portal.stf.jus.br/noticias/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=440903&ori=1

3 http://portal.stf.jus.br/processos/downloadPeca.asp?id=15343259283&ext=.pdf

4 http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=752448726&prcID=5890248#

5 https://www.cnnbrasil.com.br/business/2020/06/03/caixa-pede-suspensao-de-todos-os-processos-sobre-saques-do-fgts-em-pandemia

João Pedro França Teixeira

João Pedro França Teixeira é advogado, Sócio do escritório Mota Ribeiro, Barbosa e França. Pós-Graduado em Direito e Processo do Trabalho. LLM em Direito Empresarial. Pós-Graduando em Direito Minerário. Vice-Presidente da Comissão de Direito Minerário da OAB/BA. Membro da Associação dos Advogados de São Paulo. Membro do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. Vice-Presidente do Instituto Baiano de Mineração (IBAHM).

Últimos artigos

Direito Trabalhista

A greve dos Correios de 2020 e a necessidade de superação de uma jurisprudência trabalhista incoerente

Por Felipe Bernardes
(br) Na ADI 3423 (e outras julgadas em conjunto)1, o Supremo Tribunal Federal declarou a constitucionalidade dos §§2º e 3º do art. 114 da Constituição, na redação da EC 45/2004. A Corte utilizou como argumentos centrais aptos a sustentar a constitucionalidade da exigência do comum acordo para o dissídio coletivo de natureza econômica: (i) inexistência de violação ao acesso à justiça, pois se trata de criação de novo direito, e não de aplicação de direito pré-existente; (ii) a necessidade de reduzir a intervenção estatal nas relações coletivas de trabalho.

Direito Trabalhista

A Lei Geral de Proteção de Dados e seus impactos nas relações de trabalho.

Por Iuri Pinheiro e Vólia Bomfim

A Quarta Revolução Industrial1 está sendo vivenciada através de novas tecnologias, que se baseiam em análise massiva de dados (“big data”) a partir da inteligência artificial e da robótica, dentre outros fatores, em um mundo no qual os objetos são conectados uns aos outros (internet das coisas). Os dados, cada vez mais, são processados e valorados economicamente, sendo considerados o principal insumo da sociedade contemporânea e equiparados ao petróleo de outros tempos. Por isso mesmo, afirma-se que a economia é dirigida por dados (“data driven economy”). (...)

Direito Trabalhista

A fiscalização do ambiente laboral do teletrabalhador

Em face do princípio da alteridade (art. 2º da CLT), a assunção dos riscos do emprendimento traz ao empregador diversas responsabilidades, dentre elas a de manter o ambiente de trabalho em condições seguras e saudáveis aos empregados (observância de regras de saúde, higiene, segurança e medicina do trabalho). Sendo do empregador a referida incumbência, pouco importa onde o labor é desempenhado, se fisicamente ou a distância. Tal dever patronal tem arcabouço constitucional (arts. 7º, XXII e XXVIII, 196, 200, VIII, e 225, todos da CF) e legal (art. 157 da CLT e art. 19, §1º, da Lei nº 8.213/91). De igual, é amparado em âmbito internacional, nos termos dos arts. 7º e 12 do Pacto Internacional de Direitos Econômicos Sociais e Culturais (PIDESC), arts. 7º e 10 do Protocolo de San Salvador e nas Convenções 148, 155 e 161, todas da OIT. A obrigação de o empregador manter o local de trabalho imaculado vem acompanhada dos direitos de orientação, fiscalização e até punição dos trabalhadores. Questões intrigantes surgem da análise desses direitos patronais, principalmente o de fiscalização dos teletrabalhadores. Pode o empregador orientar e fiscalizar o ambiente laboral dos seus teletrabalhadores? Como se dará esta fiscalização? A proposta deste ensaio, pois, é a de examinar o disposto no art. 75-E da CLT, “traduzindo” os seus termos e propondo respostas para os questionamentos supra.

Direito Trabalhista

A RESPONSABILIDADE PELOS CUSTOS DOS INSTRUMENTOS DE TRABALHO NO REGIME DE TELETRABALHO

A origem do Direito do Trabalho enquanto ramo específico da ciência jurídica tem como fundamento o trabalho subordinado em sua acepção clássica, encontrado no interior das fábricas e indústrias típicas da industrialização inicial ocorrida nos séculos XVIII e XIX, quando se destacou o modelo taylorista/fordista de produção. Ocorre que a crise vivenciada pelo próprio Direito do Trabalho a partir do final do século XX, as alterações estruturais ocorridas no mundo do trabalho contemporâneo e o consequente surgimento de novas espécies de trabalhadores, bem como, por fim, o surgimento de uma nova filosofia de produção, de origem japonesa, denominada Toyotismo, que horizontalizou a empresa e fez o empregado internalizar o poder diretivo, colocaram a ideia de subordinação jurídica clássica em crise. Além disso, as novas formas de trabalho surgidas no mundo do trabalho assumem feições e características que relativizam a ideia de sujeição do trabalhador a ordens intensas e diretas do tomador dos serviços, sem retirar daquele, entretanto, a hipossuficiência comum que marca o trabalhador empregado. Nesse contexto, para efeito de reconhecimento da relação de emprego, é irrelevante o local da prestação de serviços pelo empregado, que pode ser até mesmo a residência deste. Neste caso, chama-se de trabalho a distância (home office), pelo fato da prestação de serviços ocorrer fora do estabelecimento empresarial, sendo certo que a Lei n. 12.551/2001, alterando o art. 6º da CLT, deixou clara a possibilidade de natureza empregatícia dessa relação jurídica. A Lei n. 13.467/2017 – Reforma Trabalhista inseriu na CLT os artigos 75-A a 75-E, regulamentando a figura do teletrabalho. Mais recentemente, a Medida Provisória n. 927/2020, que, diga-se de passagem, caducou, fez referência ao instituto do teletrabalho.

Direito Trabalhista

ADC 58: Lockdown na Justiça do Trabalho?

O mais turbulento semestre da história recente do Direito e do Processo do Trabalho encerra-se com aquela que talvez seja a decisão monocrática de maior impacto na história do Judiciário brasileiro. No dia 27 de junho de 2020, um sábado, o Ministro Gilmar Mendes, Relator da Ação Declaratória de Constitucionalidade n.º 58, ajuizada em 17/08/2018, proferiu decisão liminar determinando, ad referendum do Plenário da Corte, a “suspensão do julgamento de todos os processos em curso no âmbito da Justiça do Trabalho que envolvam a aplicação dos artigos arts. 879, §7, e 899, § 4º, da CLT, com a redação dada pela Lei nº 13.467/2017, e o art. 39, caput e § 1º, da Lei 8.177/91”. Causa perplexidade a circunstância de a paralisação de processos decorrer não da controvérsia em relação a determinado tema de direito material discutido nos autos, mas de uma questão meramente acessória, a correção monetária, que, na feliz síntese frequentemente rememorada pelo Ministro Cesar Asfor Rocha, “não é um plus que se acrescenta, mas um minus que se evita". O tema da atualização monetária dos créditos trabalhistas tem sido objeto candente controvérsia há alguns anos na Justiça do Trabalho, adquirindo, no ocaso do primeiro semestre 2020, contornos ainda mais dramáticos. Nesse contexto, o presente artigo destina-se a oferecer reflexões iniciais acerca dos efeitos da mencionada decisão sobre os processos trabalhistas. A adequada compreensão da matéria exige, porém, uma breve digressão histórica, que faremos a seguir.

Direito Trabalhista

Grupo econômico no Processo do Trabalho

O incidente da desconsideração da personalidade jurídica é pertinente para o reconhecimento de grupo econômico?

Ver mais artigos

Receba conteúdos exclusivos

Instituto Trabalho em Debate 2020 - © Todos direitos reservados