Reforma Trabalhista

O PAGAMENTO ANTECIPADO DE 13º SALÁRIO PROPORCIONAL E FÉRIAS PROPORCIONAIS ACRESCIDAS DE 1/3 É OBRIGATÓRIO NO CONTRATO DE TRABALHO VERDE E AMARELO?

O art. 6º da MP n. 905/2019, em especial seu caput, trouxe um texto que vem despertando muitas dúvidas acerca do seu verdadeiro sentido e do seu verdadeiro alcance:

Por: Danilo Gonçalves Gaspar Atualizado: 06/12/2019 11:04

O PAGAMENTO ANTECIPADO DE 13º SALÁRIO PROPORCIONAL E FÉRIAS PROPORCIONAIS ACRESCIDAS DE 1/3 É OBRIGATÓRIO NO CONTRATO DE TRABALHO VERDE E AMARELO?

FABIANO COELHO

Doutorando em Direitos Humanos pela UFG.

Mestre em Direito pela PUC-GO.

Juiz Titular da Vara do Trabalho de Formosa-GO.

Coordenador Nacional do Processo Judicial Eletrônico na Justiça do Trabalho (2016-2018).

Juiz Auxiliar da Vice-Presidência (2014-2016) e da Presidência do TST (2016-2018).

Professor na Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados do Trabalho (ENAMAT) e das Escolas Judiciais dos Tribunais Regionais do Trabalho da 2ª, 4ª, 6ª, 8ª, 10ª, 12ª, 14ª, 15ª, 18ª, 19ª e 20ª Regiões.

Professor em cursos de pós-graduação.

Palestrante e autor de livros na área trabalhista

Instagram: @fabianocoelhodesouza

DANILO GONÇALVES GASPAR

Mestre em Direito Privado e Econômico (UFBA).

Juiz do Trabalho do Tribunal Regional do Trabalho da 05ª Região.

Membro do Instituto Bahiano de Direito do Trabalho (IBDT).

Professor de Direito e Processo do Trabalho de cursos de Pós-Graduação em Direito.

Professor convidado da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados do Trabalho (ENAMAT), das Escolas Judiciais dos Tribunais Regionais do Trabalho da 5ª, 6ª, 7ª, 16ª, 19ª, e 21ª Regiões e da ESMPU – Escola Superior do Ministério Público da União.

Autor de obras jurídicas.

Instagram: @danilogoncalvesgaspar

 RAPHAEL MIZIARA

Mestrando em Direito do Trabalho e das Relações Sociais pela UDF.

Especialista em Direitos Humanos Laborais e Governança Global pela Universidad Castilla-La Mancha (Espanha).

Advogado Sócio do Escritório Pessoa & Pessoa Advogados Associados.

Professor de Direito do Trabalho na Faculdade Baiana de Direito.

Professor convidado de diversos cursos de Pós-Graduação em Direito, das Escolas Judiciais dos TRTs da 5ª, 6ª, 7ª, 8ª, 16ª e 22ª Regiões e da ESMPU – Escola Superior do Ministério Público da União.

Membro da Associação Brasileira de Direito Processual (ABDPro),

da Associação Norte Nordeste de Professores de Processo (ANNEP).

Instagram: @rmiziara e @informativos.tst

Site: www.ostrabalhistas.com.br

 O art. 6º da MP n. 905/2019, em especial seu caput, trouxe um texto que vem despertando muitas dúvidas acerca do seu verdadeiro sentido e do seu verdadeiro alcance: 

Art. 6º da MP n. 905/2019

Redação atual pela MP nº 905 de 2019

Redação anterior

Art. 6º Ao final de cada mês, ou de outro período de trabalho, caso acordado entre as partes, desde que inferior a um mês, o empregado receberá o pagamento imediato das seguintes parcelas:

 

I - remuneração;

 

II - décimo terceiro salário proporcional; e

 

III - férias proporcionais com acréscimo de um terço.

 

§ 1º A indenização sobre o saldo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS, prevista no art. 18 da Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990, poderá ser paga, por acordo entre empregado e empregador, de forma antecipada, mensalmente, ou em outro período de trabalho acordado entre as partes, desde que inferior a um mês, juntamente com as parcelas a que se refere o caput.

 

§ 2º A indenização de que trata o §1º será paga sempre por metade, sendo o seu pagamento irrevogável, independentemente do motivo de demissão do empregado, mesmo que por justa causa, nos termos do disposto no art. 482 da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1943.

Sem previsão em norma anterior

A grande celeuma acerca do texto do caput do art. 6º reside na expressão “caso acordado entre as partes”. Isso porque, é necessário analisar se essa expressão “caso acordado entre as partes” se refere à expressão “ou de outro período trabalhado” ou à expressão “pagamento imediato”.

Isso porque, caso se entenda que a expressão “caso acordado entre as partes” se refere à expressão “ou de outro período trabalhado”, a conclusão a que se chega é que a faculdade (o que pode ser negociado entre as partes) não reside no pagamento imediato ou não das parcelas descritas nos incisos I a III do art. 6º da MP (remuneração; décimo terceiro salário proporcional; e férias proporcionais com acréscimo de um terço), mas apenas ao pagamento em período inferior a um mês.

Essa conclusão faria com que, portanto, o empregador, no caso do contrato de trabalho verde e amarelo, tivesse que, necessariamente, pagar, antecipadamente, remuneração, décimo terceiro salário proporcional e férias proporcionais com acréscimo de um terço, sendo obrigado a efetuar o pagamento destas parcelas ao final de cada mês, ou de outro período de trabalho, desde que inferior a um mês, caso acordado entre as partes este pagamento em período inferior a um mês.

Por outro lado, caso se entenda que a expressão “caso acordado entre as partes” se refere à expressão “pagamento imediato”, a conclusão a que se chega é que a faculdade (o que pode ser negociado entre as partes) reside no próprio pagamento imediato ou não das parcelas descritas nos incisos I a III do art. 6º da MP (remuneração; décimo terceiro salário proporcional; e férias proporcionais com acréscimo de um terço) e não apenas ao pagamento em período inferior a um mês.

De acordo com essa última interpretação, portanto, o pagamento antecipado das parcelas descritas nos incisos I a III do art. 6º da MP (remuneração; décimo terceiro salário proporcional; e férias proporcionais com acréscimo de um terço) só deverá ser feito “caso acordado entre as partes”.

A adoção de uma interpretação ou outra, nos parece, perpassa pela análise do item 6 da Exposição de Motivos da MP n. 905/2019, que prevê que:

6. Por acordo entre empregado e empregador, o contrato Verde e Amarelo possibilita o pagamento antecipado, mensal ou em outra periodicidade, do adicional de férias, do décimo terceiro e da multa rescisória sobre o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço – FGTS. Essa flexibilidade permitirá que empregadores e empregados encontrem a melhor forma de pagamento dessas obrigações

Nos parece bastante claro, diante do texto acima, que o art. 6º da MP n. 905/2019 prevê o próprio pagamento antecipado em si não como uma obrigação (regra inerente ao contrato de trabalho verde e amarelo), mas sim como uma faculdade, deve ser objeto específico de negociação (“caso acordado entre as partes”) entre empregado e empregador.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Danilo Gonçalves Gaspar

Danilo Gonçalves Gaspar (Juiz do Trabalho do Tribunal Regional do Trabalho da 05ª Região. Mestre em Direito Privado e Econômico (UFBA). Membro do Instituto Bahiano de Direito do Trabalho (IBDT). Professor de Direito e Processo do Trabalho

Últimos artigos

Direito Trabalhista

ADC 58: Lockdown na Justiça do Trabalho?

O mais turbulento semestre da história recente do Direito e do Processo do Trabalho encerra-se com aquela que talvez seja a decisão monocrática de maior impacto na história do Judiciário brasileiro. No dia 27 de junho de 2020, um sábado, o Ministro Gilmar Mendes, Relator da Ação Declaratória de Constitucionalidade n.º 58, ajuizada em 17/08/2018, proferiu decisão liminar determinando, ad referendum do Plenário da Corte, a “suspensão do julgamento de todos os processos em curso no âmbito da Justiça do Trabalho que envolvam a aplicação dos artigos arts. 879, §7, e 899, § 4º, da CLT, com a redação dada pela Lei nº 13.467/2017, e o art. 39, caput e § 1º, da Lei 8.177/91”. Causa perplexidade a circunstância de a paralisação de processos decorrer não da controvérsia em relação a determinado tema de direito material discutido nos autos, mas de uma questão meramente acessória, a correção monetária, que, na feliz síntese frequentemente rememorada pelo Ministro Cesar Asfor Rocha, “não é um plus que se acrescenta, mas um minus que se evita". O tema da atualização monetária dos créditos trabalhistas tem sido objeto candente controvérsia há alguns anos na Justiça do Trabalho, adquirindo, no ocaso do primeiro semestre 2020, contornos ainda mais dramáticos. Nesse contexto, o presente artigo destina-se a oferecer reflexões iniciais acerca dos efeitos da mencionada decisão sobre os processos trabalhistas. A adequada compreensão da matéria exige, porém, uma breve digressão histórica, que faremos a seguir.

Direito Trabalhista

Grupo econômico no Processo do Trabalho

O incidente da desconsideração da personalidade jurídica é pertinente para o reconhecimento de grupo econômico?

Direito Trabalhista

Ainda é possível antecipação de tutela para saque de FGTS? Uma análise crítica da jurisprudência do STF

Em recente decisão monocrática , o STF julgou procedente reclamação e cassou decisão de TRT que havia determinado, em tutela da evidência, a expedição de alvará para saque de FGTS pela trabalhadora.

Direito Trabalhista

Diálogos com a teoria da desconsideração direta da personalidade jurídica: uma resposta a Felipe Bernardes.

Em artigo publicado no Portal Trabalho Em Debate, no dia de hoje, o brilhante Professor e Juiz do Trabalho Felipe Bernardes trouxe à tona aquilo que denominou de desconsideração direta da personalidade jurídica. Sua teoria, muito bem construída, desenvolvida e fundamentada, como lhe é peculiar, sem sombra de dúvidas desperta interessantes debates, razão pela qual, revelando a importância do tema, peço licença ao autor para tecer alguns comentários em sentido contrário.

Direito Trabalhista

Conflito fundamental do FGTS: Subsistência do cidadão versus interesse público.

O FGTS tem sua origem na lei 5.107/66 e base na Carta Magna de 1988 (Art. 07, III), visando garantir a melhoria social dos trabalhadores, a fim de que possam ter uma “poupança” que venha a ser utilizada em momentos “especiais” ou até “delicados” – caso de sua demissão ou doença grave.

Direito Trabalhista

Pandemia e uberização: o trabalhador lutando “sozinho” na guerra da sobrevivência

Nestes dias pandêmicos, os quem vivem do trabalho estão envoltos em muitas dificuldades e desafios para continuar trabalhando e se proteger do Covid-19. Os trabalhadores que se encontram reconhecidamente sob o manto de proteção legal – assegurados pela qualidade formal de empregados e assim sujeitos à aplicação do Direito do Trabalho – enfrentam o desafio de, abruptamente e sem estrutura ou preparação, engajar-se no teletrabalho ou continuar nos estabelecimentos empresariais com maiores riscos de exposição ao vírus.

Ver mais artigos

Receba conteúdos exclusivos

Instituto Trabalho em Debate 2020 - © Todos direitos reservados